A doutrina pré-tribulacionista do arrebatamento

Respeito às opiniões divergentes, mas apresento as razões bíblicas e interpretativas de nossa corrente. A grande tribulação deverá se iniciar com a manifestação do Anticristo (ou de seu governo) e provocar o consequente arrebatamento da igreja (2 Ts 2:3, 4).

Sugiro que você pesquise sobre o termo “dispensacionalismo” afim de entender minha linha de interpretação. De fato, a interpretação dispensacionalista no que diz respeito ao arrebatamento da igreja é aparentemente a mais complexa e ao mesmo tempo a mais literal; mas nem por isso, desconexa e infundada (1 Ts 4.13-18). Pra começar, parece existir um objetivo bem claro de Deus quanto à grande tribulação (Ap 6 a 19): a conversão dos Judeus(Zc 12:10; Ap 12), e juízo sobre os pecadores (Is 13:9-18). A grande tribulação é referenciada várias vezes no A.T como o “Dia do Senhor” (Am 5:18-20; Jl 1:15; Sf 1:14). É tida profeticamente como o tempo da angústia de Jacó ou Israel (Jr 30.7).  O dia do Senhor em sua aplicação escatológica está sempre relacionado ao juízo, ao tratamento com os ímpios e escuridão em todos os sentidos. Esses quadros, nada tem a ver com as promessas de Jesus para seus seguidores (Jo 14.1-3). As posições da vinda de Cristo no fim da tribulação, precisam considerar a atualidade dos apelos bíblicos para a iminente volta de Jesus para buscar sua igreja (Ap 3:11; 22:12, 20; Hb 10:37; Tg 5:9).
A história sagrada ensina que em todos os tempos de juízos Divinos sobre civilizações e populações inteiras, Deus sempre livrou seus fiéis. Livrou a Noé e sua família do dilúvio (Gn 6:17,18); livrou a Ló da destruição de Sodoma (Gn 19:17-22); livrou a Israel das dez pragas que atribularam ao Egito (Ex 12.12,13); Livrou Jerusalém da invasão da Assíria (2 Re 19:32-34) e prometeu livrar sua igreja militante e fiel da hora da tentação que há de vir sobre toda a terra (Ap: 3.10). O arrebatamento antes da grande tribulação será a forma de Cristo Jesus livrar sua noiva das agruras daquela última semana profética (Dn 9:24-27); galardoar os crentes por meio de suas obras (2 Co 5:10) e celebrar as bodas de seu figurado relacionamento com a sua igreja (Mt 26:29; Ap 19:7-9).
A idéia em torno do termo original “arrebatamento” denota em rapto, em evento abrupto, não anunciado ou alardeado; diferente das citações de Ap 1.7; 19:11-16), que são totalmente públicos e visíveis e referem-se à manifestação de Jesus em Glória; evento ligado ao fim da grande tribulação – e essa realização é diferente do arrebatamento. A concatenação bíblica para a primeira fase da segunda vinda de Cristo (1 Ts 4.13-18), parece ter sentido acontecer na abertura do parêntese dispensacional entre graça e milênio, ou seja: na abertura da grande tribulação da qual a igreja de Cristo não passará – pelo menos na visão pré-tribulacionista (Ap 3.10; 1 Ts 5.9).
Os indícios apocalípticos da pregação e da salvação durante a tribulação parecem não indicar a presença da Igreja da era da graça pregando lá, mas sim de um grupo de 144 mil Israelitas (Ap 7:4-8; 14:1-5). O Evangelho do Reino de Mateus 24:14, que também foi pregado por nosso Salvador (Lc 4:43) terá sua continuidade na grande tribulação antes do julgamento das nações e instauração do milênio na terra (Mt 25:31-34; Ap 20:4-6).
A pregação do Evangelho do Reino no contexto apocalíptico parece não fazer alusão a uma missão cristã, e sim ao citado grupo de pregadores israelitas escolhidos e a princípio dirigidos aos judeus (Mt 10:23). A evangelização mundial parece alcançar seu ápice na pregação do Evangelho Eterno (Ap 14: 6,7). Vale ressaltar que mesmo assim, a igreja de Cristo nesta dispensação, recebeu a incumbência de evangelizar o mundo inteiro e não pode negligenciar sua missão tarefa (Mc 16.15; Mt 28:18-20).
Pra terminar, quero dizer que a última trombeta citada por Paulo em 1 Coríntios 15:52, nada tem a ver com última trombeta de Apocalipse 11:15, por razões claras: as menções retratam cenários escatológicos distintos: a primeira a convocação dos salvos vivos e mortos para o arrebatamento e a segunda para o anúncio do reino eterno de Cristo. Ademais, em João 14:1-3, Atos 1:11, 1 Coríntios 15:52-58, Filipenses 3:20, Colossenses 3:4, entre outras passagens, os apóstolos ensinaram que Cristo poderia retornar a qualquer momento. Sem tal expectativa, a Igreja perde o foco espiritual e tem a tendência de se tornar morta. Eu acredito num tipo de “igreja” ou de “salvos mortos na tribulação” (Ap 7:13-16), mas não sendo integrantes desta igreja promotora do Evangelho e da dispensação da graça (Ef 3.5-6; 2:8).

obre Silvio Costa

Silvio Costa
Se define como crente pela compaixão de Jesus, estudante de teologia por paixão e administrador de empresas por profissão. Mora na belíssima cidade de Guarapari no ES; estudou teologia no Seminário SEET e na Faculdade FAIFA. É colunista de grandes portais evangélicos do Brasil e também compõe textos exclusivos para a revista e o portal Seara News. Ele ainda mantém o blog Cristão Capixaba e iniciou o portal Litoral Gospel.
– See more at: http://searanews.com.br/doutrina-pre-tribulacionista-arrebatamento/#sthash.MfbCpI4G.dpuf
Rafael Willison

Rafael Willison

É casado com a contadora Thais e pai da Luísa, é formado em Tecnologia da informação pela Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica e em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade Estácio de Sá, é especialista em infraestrutura e segurança de redes de computadores e apaixonado por Cristo, teologia e livros.

Conteúdos Relacionados